O ex-ministro da Justiça Anderson Torres prestou depoimento nesta terça-feira (8) à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro. Durante a oitiva, estava usando tornozeleira eletrônica, uma medida cautelar imposta para liberdade provisória.

Torres, que também é ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, foi autorizado pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), a ficar calado sobre temas que pudessem incriminá-lo. Mesmo assim, ele respondeu a diversas perguntas de parlamentares no colegiado.

Vídeo: “Não estou atribuindo ao governo atual nenhum tipo de responsabilidade”, diz Torres

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”politica” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”W1Mk4H5Zj7g”

A defesa do ex-ministro havia feito a solicitação ao STF para o silêncio e também para que fosse permitido não utilizar a tornozeleira no depoimento, o que foi negado por Moraes.

Segundo fontes, havia o receio de que o depoimento se estendesse, o aparelho descarregasse e ele perdesse o toque de recolher. Se isso ocorresse, Torres voltaria para a prisão.

Anderson Torres teve liberdade provisória autorizada por Alexandre de Moraes no dia 11 de maio. Para isso, ele tem que cumprir uma série de medidas provisórias (veja a lista completa nesta matéria).

Ele é investigado pelos ataques criminosos às sedes dos Três Poderes no dia 8 de janeiro.

8 horas de depoimento, respostas e defesa de plano de ação

O ex-secretário de Segurança Pública do DF foi ouvido por cerca de 8 horas pelos integrantes da CPMI do 8 de janeiro.

Durante a oitiva, Anderson Torres afirmou que até a noite do dia 6 de janeiro, quando viajou aos Estados Unidos para férias, não recebeu informações de possíveis ataques no dia 8.

Ainda assim, ressaltou que, se o Protocolo de Ações Integradas (PAI) formulado para a ocasião tivesse sido seguido à risca, “seríamos poupados dos lamentáveis atos”.

Além disso, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública disse que faltaram policiais para conter os atos antidemocráticos e chamou a “minuta do golpe” de “aberração jurídica”.

Após a afirmação de que não havia quantidade suficiente de agentes, a senadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da CPMI, afirmou que pretende convocar o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), para depor à comissão.

source
Fonte : CNN BRASIL