Ataques de drones ucranianos levam a guerra à Rússia; entenda o que isso significa para o conflito

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Ataques de drones ucranianos ocorrendo dentro da Rússia pareciam uma perspectiva impensável. Mas tais ataques tornaram-se uma característica cada vez mais comum da guerra – com um alerta de Kiev encorajado de que mais virão.

Uma série de ataques com drones atingiu cidades russas, incluindo Moscou, nos últimos meses. A sexta-feira viu uma das mais dramáticas até agora – drones marítimos atingiram um importante porto russo a centenas de quilômetros do território controlado pela Ucrânia.

Eles desviaram a atenção de uma contraofensiva ucraniana que ainda não produziu resultados tangíveis no campo de batalha e trouxeram a guerra à Rússia. Mas eles não são isentos de riscos para Kiev, que está tentando assumir o controle da guerra enquanto mantém relações com as nações ocidentais cautelosas com qualquer indício de escalada.

Uma série de ataques

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, alertou na semana passada que a guerra está “retornando gradualmente” à Rússia, após o último de uma série de ataques de drones ocorridos dentro do país.

Os incidentes do fim de semana passado viram prédios em Moscou alvo de drones. Na terça-feira (1º), um drone atingiu o mesmo arranha-céu na capital russa que foi atingido no domingo (30).

Seguiu-se duas tentativas de ataques semelhantes que foram relatadas por autoridades russas no início de julho e vários incidentes desse tipo em junho.

Em maio, um aparente ataque de drones acima do Kremlin levou a imagens dramáticas de explosões nos céus acima da sede do poder russo.

Prédio danificado após um ataque de drone relatado em Moscou, na Rússia, em 24 de julho. / Maxim Shemetov/Reuters

A Ucrânia normalmente não assume a responsabilidade direta pelos ataques, embora suas respostas tenham se tornado mais otimistas nas últimas semanas.

“A distância e negabilidade entre Kiev e esses ataques é significativamente menor”, disse à CNN Douglas Barrie, membro sênior do Aeroespaço Militar do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS). “Agora parece haver quase um reconhecimento tácito de que foram (eles).”

O ministro ucraniano Mykhailo Fedorov, cujo Ministério da Transformação Digital supervisiona o plano de aquisição do “Exército de Drones” do país, disse que haveria mais ataques de drones enquanto Kiev intensifica sua contraofensiva paralela destinada a expulsar as tropas russas do território ucraniano.

Sistemas de armas limitados, mas eficazes

É difícil estabelecer exatamente quais sistemas de armas estão sendo usados nos ataques, e precisamente quais prédios estão sendo alvejados, com os lados russo e ucraniano se recusando a se aprofundar nos detalhes dos incidentes.

Mas há claramente grandes diferenças entre esses ataques — que são de alcance limitado, causaram poucas baixas e não foram direcionados a edifícios residenciais — com aqueles que Moscou lançou indiscriminadamente contra centros populacionais ucranianos.

“Se eles estão chegando ou não aos destinos pretendidos, os alvos parecem ser edifícios ligados ao prosseguimento da guerra na Ucrânia”, disse à CNN Keir Giles, especialista em Rússia da Chatham House e autor de livros sobre a invasão e política externa Rússia.

“A esse respeito, é uma abordagem muito diferente do que vimos na Rússia, com ataques terroristas indiscriminados.”

Giles observa que há “uma questão em aberto sobre exatamente como a Ucrânia está realizando os ataques”. Mas eles “demonstraram a incapacidade das defesas da Rússia.”

Os veículos aéreos não tripulados unidirecionais (UAVs) que aparentemente foram lançados “carregam uma ogiva bem pequena e têm sido usados em pequeno número, portanto, em termos de efeito militar direto, é limitado para dizer o mínimo”, disse Barrie.

“Os tipos de sistemas que a Ucrânia está usando são simples, comparativamente falando, mas para sua finalidade são eficazes”, acrescentou Barrie.

Levando a guerra à Rússia

Kiev aceitará alegremente o impacto militar limitado dos ataques de drones, porque os ataques desempenham um papel muito mais importante na guerra.

“A Ucrânia identificou que a opinião e as atitudes populares russas em relação à guerra são uma das principais áreas que eles precisam atingir para encerrar a guerra”, disse Giles.

“Enquanto a Rússia puder fingir que a guerra é algo que acontece em outro lugar, nada vai prejudicar o apoio popular.”

As autoridades ucranianas discutiram abertamente o elemento de propaganda dos ataques. Yurii Ihnat, porta-voz da Força Aérea da Ucrânia, disse que os últimos ataques de drones a Moscou visavam impactar os russos que, desde que o Kremlin invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022, sentiram que a guerra estava distante.

“Há sempre algo voando na Rússia, assim como em Moscou. Agora a guerra está afetando aqueles que não estavam preocupados”, disse.

“Não importa o quanto as autoridades russas gostariam de fechar os olhos, dizendo que interceptaram tudo… algo aconteceu.”

Veja também: Enviado da CNN Brasil explica como é o processo de entrada nas trincheiras ucranianas

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”internacional” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”Ph1ydNLAXq0″

Os primeiros sinais sugerem que os ataques recentes causaram agitação entre uma classe já nervosa de especialistas militares na Rússia.

Observando as críticas de pelo menos um proeminente blogueiro militar de que a Rússia não havia protegido edifícios contra tais ataques, o Instituto para o Estudo da Guerra (ISW) escreveu em uma atualização recente que “as autoridades russas provavelmente lutarão para equilibrar a necessidade de reprimir a preocupação doméstica com ataques contínuos de drones nas profundezas da retaguarda russa com a recusa contínua do presidente russo Vladimir Putin em mobilizar totalmente a sociedade russa para a guerra e suas consequências correspondentes”.

“Um valor surpreendente”

Avaliar a opinião pública na Rússia é notoriamente difícil. Mas relatos anedóticos pelo menos falam sobre o impacto dos ataques de drones nas proximidades dos ataques.

“Meus amigos e eu alugamos um apartamento para vir aqui e relaxar e, em algum momento, ouvimos uma explosão – foi como uma onda, todo mundo pulou”, disse uma testemunha à Reuters em Moscou.

“Havia muita fumaça e não dava para ver nada. De cima, você podia ver o fogo.”

“Parece estar atingindo o tipo de valor surpreendente que você poderia esperar, onde os russos estão percebendo que não estão pessoalmente protegidos do que está sendo feito na Ucrânia”, disse Giles sobre as primeiras indicações das consequências dos ataques.

Se a tendência causará uma ruptura mais ampla do apoio russo à guerra, está longe de ser claro. Por um lado, o antigo pretexto de Putin para a guerra se baseou em alegações infundadas de que a Ucrânia era uma ameaça à segurança russa e que a chamada operação militar especial no país era necessária para defender os interesses da Rússia.

Reproduzir ataques recentes pode ser usado para apoiar esse argumento à medida que a guerra se arrasta. Mas, depois de quase 18 meses de desorganização e discórdia, a realidade de que os planos militares da Rússia estão falhando tem sido cada vez mais difícil de negar.

Veículos blindados e integrantes do grupo Wagner nas ruas durante tensões entre o Kremlin e o grupo paramilitar russo em Rostov-on-Don, Rússia, em 24 de junho. / Agência Anadolu/Getty Images

E a autoridade de Putin já parecia mais vulnerável nos momentos em que o impacto da guerra atinge a Rússia – como durante a caótica mobilização militar do ano passado e durante a rebelião de Wagner em junho.

Nesse contexto, é fácil ver por que lembretes regulares do conflito dentro da Rússia servem aos interesses estratégicos da Ucrânia.

Ocidente observa

Apesar de todo o impacto de propaganda pretendido, o envio de drones à Rússia não é um movimento isento de riscos para Kiev.

A consideração mais imediata é uma represália; o Kremlin tende a vincular ataques a cidades ucranianas a ataques anteriores à Rússia, em uma abordagem “olho por olho” destinada a causar pânico na Ucrânia.

Mas os ucranianos já estão bem familiarizados com a ameaça dos bombardeios aéreos russos, e não há evidências de que tais ataques tenham prejudicado a determinação no esforço defensivo lá.

Uma preocupação mais proeminente é como o Ocidente reage a tais ataques. Um ano atrás, a perspectiva de a Ucrânia enviar drones para a Rússia era impensável, dado o contrato tácito entre as nações da Otan e Kiev de que o Ocidente apoiaria prontamente uma guerra defensiva, mas seria mais cauteloso com quaisquer ações que levassem a Otan a um conflito direto com a Rússia.

Não há nada que sugira que a Ucrânia tenha usado armamento fornecido pela Otan na Rússia – fazer isso é provavelmente uma ponte que eles não considerariam cruzar neste momento – mas ficou claramente mais encorajado a levar a guerra à Rússia. E, em troca, os líderes ocidentais geralmente parecem relaxados com a abordagem.

“A proibição de longa data de atacar a Rússia, que foi imposta pelos fornecedores… foi equivocada”, disse Giles “Durante todo esse período, jogou o jogo da Rússia pelas regras da Rússia.”

Veja também: Cúpula da Otan: Países prometem estrutura de segurança à Ucrânia

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”internacional” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”1tss15FZfnY”

Ainda existe um certo grau de variação na forma como os líderes ocidentais veem os ataques ao território russo, com os Estados Unidos particularmente preocupados.

“De modo geral, não apoiamos ataques dentro da Rússia”, disse a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, a repórteres no final do mês passado, segundo a Reuters.

Mas a confiança de Kiev e uma disposição crescente de diminuir o apoio russo à guerra provavelmente significarão que tais ataques continuarão sendo uma característica do conflito.

“É impossível dizer como isso vai se desenvolver, mas certamente devemos esperar que pelo menos esse nível de uma batida constante de demonstrações de vulnerabilidade russa continue”, disse Giles.

source
Fonte : CNN BRASIL

Leia Também

Deixe seu Comentário