Siga nosso Instagram @saobentoemfoco

A manifestação convocada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), ocorrida na Avenida Paulista (SP), neste domingo (25), teve repercussão na imprensa internacional que destacou a adesão maciça ao evento e as acusações de “tentativa de golpe” contra o ex-presidente. 

Bolsonaro afirmou, ao convocar seus apoiadores para o ato, que o objetivo era mostrar ao mundo “a fotografia” da insatisfação do povo com o rumo da política nacional. 

O jornal espanhol El País considera que a manifestação reforça a liderança de Bolsonaro após um ano de moderação. O ato também ocorreu três dias após o depoimento de Bolsonaro à Polícia Federal no âmbito do inquérito que investiga a suposta tentativa de “golpe”. 

O jornal inglês The Guardian segue a mesma linha, afirmando que “Bolsonaro está tentando mostrar que sua base é resiliente mesmo durante a investigação”. O jornal também destacou a participação de “dezenas de milhares” de manifestantes e classificou o ex-presidente como “extrema-direita”. 

O britânico Daily Mail também mencionou a adesão massiva ao evento como uma demonstração de apoio, apesar das acusações contra Bolsonaro. Segundo o jornal, uma multidão de apoiadores, vestindo as cores verde e amarelo da bandeira brasileira, lotou a Avenida Paulista, uma das principais vias da capital econômica do país. 

Também comentou sobre o assunto o jornal The Times of Israel, que destacou o apoio de Bolsonaro e dos manifestantes a Israel em resposta aos ataques do presidente Lula (PT), que comparou a luta de Israel contra o Hamas ao Holocausto. 

“Bolsonaro chegou agitando a bandeira israelense – uma rejeição aos comentários do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na semana passada comparando a ofensiva de Israel em Gaza ao Holocausto – antes de colocar a mão no peito para o hino nacional. Várias bandeiras israelenses puderam ser vistas com destaque na multidão”, disse o The Times of Israel. 

A agência de notícias Reuters deu destaque às investigações contra Bolsonaro. Além do destaque classificou o ex-presidente como um “populista frequentemente comparado ao ex-presidente dos EUA, Donald Trump”. 

Após reconhecer a adesão de “dezenas de milhares” de pessoas ao ato, o jornal francês Le Monde também rotulou Bolsonaro e seus apoiadores como “extrema-direita”, destacando as acusações de “golpe” que pesam contra o ex-presidente. 

Por sua vez, o jornal France 24 observou que, apesar das acusações, a manifestação foi uma demonstração da força política de Bolsonaro, que continua sendo “adorado” por seus eleitores. 

O The Korea Times, um dos mais antigos jornais em língua inglesa publicados diariamente na Coreia do Sul, afirmou que o evento foi uma “demonstração de poder em meio às investigações sobre um possível golpe”. 

Por sua vez, o site de notícias japonês BNN Breaking observou que a manifestação em São Paulo não apenas serviu como plataforma para Bolsonaro expressar suas queixas, mas também funcionou como um espelho que reflete as profundas divisões na sociedade brasileira. 

 


source
Fonte

Diario do Poder