CO₂ nunca controlou a temperatura da Terra

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

A polarização das discussões sobre o clima apresenta dois grupos muito bem destacados. De um lado, temos o grupo defensor da hipótese sem fundamento de que o CO₂ aquece o planeta, transformando a atmosfera da Terra em uma estufa, os chamados “aquecimentistas” (ou global warmers), onde esse suposto efeito seria amplificado pelas atividades produtivas e pela própria existência da humanidade. Do outro lado, temos os chamados “céticos” que envolvem uma variedade de amplo espectro de pesquisadores e pessoas, desde as que acreditam que o CO₂ tenha uma contribuição ínfima no hipotético “efeito-estufa”, sendo de origem natural ou não, até os que demonstram que esta relação de CO₂ com temperatura e clima não existe, que a atmosfera da Terra não trabalha como uma estufa (casa de vidro) e que as variações climáticas são de origem natural, pois é exatamente assim que se entende a definição mais básica de clima.

Do lado do espectro mais cético possível, temos como exemplos o astrofísico israelense Nir Shaviv, presidente do Instituto Racah de Física da Universidade Hebraica de Jerusalém, o físico-matemático alemão Gerhard Gerlich, professor do Instituto de Física Matemática da Universidade Técnica Carolo-Wilhelmina, em Brunsvique, e o seu colega, o físico alemão Ralf Dietrich Tscheuschner, além de muitos outros. Para todos eles, sem parcimônia, o CO₂ não provoca efeito-estufa, o CO₂ nunca controlou a temperatura do planeta, os métodos de medição para se conseguir determinar uma suposta temperatura média global da atmosfera são uma abstração estatística sem fundamento e que a pseudociência climática atual baseia-se na quebra de leis da Física.

publicidade

Como meteorologista e climatologista experimentado, concordo plenamente com eles e me incluo dentro deste espectro dos céticos. Assim, para essa primeira parte, abordaremos como falta a evidência direta de que o CO₂ controlou a temperatura do planeta e que tal suposição é apoiada em modelos numéricos programados em computadores para fazerem um balanço radiativo de energia, no qual o foco é o falacioso “efeito-estufa” simulado pela presença, magistralmente, de CO₂, abandonando todas as evidências reais.

Comecemos com o professor Shaviv, que fica abismado ao ver como a pseudociência da “mudança climática” se tornou publicamente aceita quando confrontada diretamente com as evidências, as provas que o mundo natural, e, portanto, real, nos oferecem. “Não há evidências em qualquer escala de tempo mostrando que as variações de CO₂ ou outras mudanças no balanço de energia causaram grandes variações de temperatura”, diz Shaviv. “Há, no entanto, evidências em contrário. As variações de dez vezes na quantidade de CO₂ nos últimos meio bilhão de anos não tiveram nenhuma correlação com a temperatura em controlá-la.”

Ele ainda cita o exemplo do vulcão Krakatoa, na indonésia. Mesmo com a quantidade colossal de CO₂ lançado na Terra, o planeta esfriou pelas cinzas vulcânicas lançadas diretamente na estratosfera, em 1883, outro calcanhar de Aquiles para os “modelos sensíveis” do IPCC que não consideram desta forma. Atualmente, tanto o Krakatoa e seu “filhote” Anak Krakatoa emitem uma quantidade significativa de cinzas e gases. Em outras palavras, com ou sem elementos atenuantes, como um vulcão de proporções gigantescas, o resultado dos modelos é o aquecimento inescapável de 1,5oC pela suposta duplicação de CO₂, pois só assim conseguem visualizar um “aquecimento” para o século XX.

Shaviv ainda menciona como os países ocidentais não percebem que um suposto “aquecimento global” nunca foi e nunca será um problema sério, dado o número de academias científicas e tantas evidências da história do planeta que indicam precisamente o contrário. O discurso apoiado pelo ocidente é de que “um aquecimento será grande e acontecerá em muito em breve, mas este simplesmente não é apoiado por nenhuma evidência direta, mas apenas em uma linha instável de raciocínio circular”.

A censura também pegou o Shaviv. Poucas horas depois de ter concedido uma entrevista à Forbes, um artigo seu publicado de forma on-line foi removido pelos editores, por “não atender aos padrões editoriais da revista”, ou seja, a ciência tem edital. Em suma, por ter se tornado politicamente incorreto para a atual “ciência ocidental”, suas discussões científicas são dirimidas, fazendo o público aceitar a argumentação falaciosa que sustenta os “cenários catastróficos”, como ele bem lembra. De fato, quanto mais se silencia os opositores da hipótese imposta, mais claro fica o embuste.

Como descrevemos, as afirmações de Shaviv são baseadas nas evidências reais. Um importante fato que corrobora isto vem da geologia. O geólogo estadunidense Ian Clarke é um reconhecido paleoclimatologista que trabalha com as amostras do Ártico e estratos rochosos. Também pertence ao grupo dos céticos. Suas análises apontam as marcas recordes de temperatura da Terra em dezenas de milhões de anos. Ele, bem como outros geólogos e glaciologistas descobriram, já há muito tempo, uma ligação entre o dióxido de carbono e a temperatura.

A relação do gás nem sempre se encaixa nas temperaturas e a relação é realmente complicada, contudo, a observação dominante é clara e diferentemente do que mostrou Al Gore, ex-vice-presidente dos EUA em seu filme de ficção científica Uma Verdade Inconveniente, o domínio da relação do CO₂ com as temperaturas não é o que foi mostrado, mas é exatamente o oposto, em especial nos últimos milhões de anos e, precisamente, nas últimas mudanças entre períodos glaciais e interglaciais.

E qual é essa relação? Ao estudar-se os blocos de gelo (também denominados de “testemunhos”) do profundo poço na estação antártica russa de Vostok, estabelecida em 16/12/1957 na localização do então Polo Geomagnético Terrestre daquele ano (Lat: 78°27’31.15″S, Long: 106°50’8.62″E com 3.488m altitude), cujas perfurações se iniciaram em 1970 (Figs.1 e 2), observamos que a temperatura começa a subir desde o início até o final, em um intervalo importante que é a saída de uma glaciação — período extremamente frio da Terra. Veremos a temperatura subindo e então, veremos o CO₂ subindo, porém, ele fica atrás desse aumento. Tem um atraso de cerca de 800 anos. Portanto, a temperatura está à frente do CO₂ em 800 anos.

A temperatura sobe ou desce e, depois de algumas centenas de anos, o dióxido de carbono a segue. Obviamente, o dióxido de carbono não é a causa desse aquecimento. De fato, podemos dizer que o aquecimento produziu o aumento do dióxido de carbono, pois diversos sistemas da Terra, incluindo os oceanos, começam a liberar o CO₂ que ficou retido durante os períodos frios. Assim, vimos claramente que o CO₂ não pode estar causando mudanças de temperatura. Ele é um produto da temperatura, seguindo as suas variações. No próximo artigo, veremos o quanto a hipótese de que a atmosfera da Terra trabalha como uma estufa está errada, observando as colocações de Gerlich e outros cientistas, bem como outras informações relevantes que sempre colocaram em xeque-mate a ideia sem fundamento de que o CO₂ controle a temperatura da Terra, que esse gás controla o clima da Terra e, muito pior, que um dado valor de temperatura média do ar global não tem significado físico para determinar que tipos de “clima” teremos.

Até lá.


source
Fonte : Revista Oeste

Leia Também

Deixe seu Comentário