Dados do Atlas da Violência 2024, divulgados nesta terça-feira (18) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), revelam que as meninas com até 9 anos de idade foram as maiores vítimas da violência doméstica e intrafamiliar em 2022.

De acordo com o levantamento, que utilizou como base o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, 144.285 casos de violência doméstica e intrafamiliar contra pessoas do sexo feminino foram registrados em 2022. Desses, 21.875 (15,2%) foram contra meninas de até 9 anos.

Em seguida, os grupos mais afetados por esse tipo de violência são aqueles compostos por mulheres entre 25 a 29 anos (11,4%) e de 30 a 34 anos (10,4%)

Faixa etária Número de casos Percentual
0 a 9 anos 21.875 15,2%
10 a 14 13.512 9,4%
15 a 19 11.628 8,1%
20 a 24 14.893 10,3%
25 a 29 16.494 11,4%
30 a 34 15.000 10,4%
35 a 39 14.045 9,7%
40 a 44 11.773 8,2%
45 a 49 7.699 5,3%
50 a 54 4.935 3,4%
55 a 59 3.251 2,3%
60 a 64 2.450 1,7%
65 a 69 1.910 1,3%
70 a 74 1.585 1,1%
75 a 79 1.303 0,9%
80 ou mais 1.932 1,3%
Total 144.285 100%

Entre as meninas e mulheres que disseram ter sido vítima de violência doméstica e intrafamiliar em 2022, a maior parte (36,7%) relatou ter sofrido violência física. Outras 31,1% afirmaram que foram vítimas de violências múltiplas –ou seja, de mais de um tipo de agressão.

No grupo de meninas com até 9 anos de idade, o tipo de violência mais frequente foi a negligência (37,9%). Em seguida está a violência sexual (30,4%). A negligência volta a ser o tipo de violência mais comum nos grupos de idosas: 37,5% na faixa de 75 a 79 anos e 50,4% acima dos 80.

Na faixa etária entre 10 e 14 anos, a violência sexual é o tipo mais frequente, totalizando 49,6% dos casos.

Em relação aos prováveis agressores, a maioria em quase todas as faixas etárias é do sexo masculino. A exceção é quando os casos são cometidos contra meninas de até 9 anos. Nessa situação, homens e mulheres estão empatados, com 50%.

source
Fonte : CNN BRASIL

Ouça a Rádio Piranhas FMRádio Piranhas FM pelo RadiosNet. #OuvirRadio