Um foguete da SpaceX decolou com segurança da Flórida, nos EUA, na noite desta segunda-feira (4), transportando uma tripulação de três astronautas norte-americanos e um cosmonauta russo a caminho da Estação Espacial Internacional (ISS) para iniciar uma missão científica de seis meses na órbita da Terra.

O foguete Falcon 9 de dois estágios, coberto com uma cápsula Crew Dragon operada de forma autônoma, chamada Endeavour, foi lançado do Centro Espacial Kennedy da Nasa em Cabo Canaveral, ao longo da costa atlântica da Flórida.

Uma transmissão ao vivo da Nasa-SpaceX mostrou o foguete de 25 andares subindo da torre de lançamento enquanto seus nove motores Merlin ganhavam vida em nuvens ondulantes de vapor e uma bola de fogo avermelhada que iluminava o céu noturno.

O foguete consome 700 mil galões de combustível por segundo durante o lançamento, segundo a SpaceX.

O estágio superior do Falcon levou o Endeavour à sua órbita inicial nove minutos após a decolagem, com vídeo ao vivo da cabine mostrando os quatro tripulantes amarrados lado a lado, vestidos com seus trajes de voo brancos e pretos com capacete.

“Que viagem incrível até a órbita”, disse o astronauta Matthew Dominick, de 42 anos, comandante do voo e um dos três novatos em voos espaciais a bordo da cápsula, por rádio para o controle fora de Los Angeles. “Um grande obrigado à SpaceX.”

“Realmente honrado em pilotar esta nave espacial de nova geração com esta tripulação de nova geração”, disse o veterano da Nasa Michael Barratt, de 64 anos, de seu assento ao lado de Dominick.

Da esquerda para a direita, o cosmonauta russo Alexander Grebenkin, o piloto da Nasa Michael Barratt, o comandante Matthew Dominick e a especialista em missões Jeanette Epps antes de seguir para Cabo Canaveral, na Flórida, em 3 de março de 2024 / Paul Hennessy/Anadolu via Getty Images

Os quatro tripulantes devem chegar à estação espacial na manhã desta terça-feira (5), após um vôo de 16 horas, atracando no laboratório orbital a cerca de 420 km acima da Terra.

Designada Tripulação 8, a missão marca a oitava equipe de longa duração da ISS que a Nasa transporta a bordo de um veículo de lançamento SpaceX desde que o empreendimento privado de foguetes fundado em 2002 pelo bilionário Elon Musk e com sede perto de Los Angeles começou a enviar astronautas norte-americanos à órbita em maio de 2020.

A última tripulação da ISS foi liderada por Dominick, um piloto de testes da Marinha dos EUA que fez sua primeira viagem à órbita, e Barratt, um médico que registrou dois voos anteriores para a estação espacial e duas caminhadas espaciais. Barratt está servindo como piloto da missão.

Completando a equipe estão a astronauta da Nasa, Jeanette Epps, de 53 anos, engenheira aeroespacial e ex-oficial de inteligência técnica da CIA, e o cosmonauta Alexander Grebenkin, 41, ex-engenheiro aeronáutico militar. Ele e Epps são novatos em voos espaciais, assim como Dominick.

Grebenkin é o mais recente cosmonauta a voar a bordo de uma espaçonave dos EUA sob um acordo de compartilhamento de viagens assinado em 2022 pela Nasa e pela agência espacial russa Roscosmos, apesar do aumento das tensões entre Washington e Moscou devido à invasão da Ucrânia pela Rússia.

A tripulação 8 será recebida a bordo da estação espacial por sete ocupantes atuais da ISS – três russos e os quatro astronautas da tripulação 7, dois da Nasa, um do Japão e um da Dinamarca. A equipe da Tripulação 7 deverá partir da estação espacial para um vôo de volta à Terra cerca de uma semana após a chegada da Tripulação 8.

Nasa e SpaceX lançam foguete Falcon 9 para a Estação Espacial Internacional com quatro triupulantes / Aubrey Gemignani/Nasa via Getty Images

A tripulação 8 deverá permanecer a bordo da estação espacial até o final de agosto, realizando coletivamente cerca de 250 experimentos no ambiente de microgravidade da plataforma orbital.

A ISS, do tamanho aproximado de um campo de futebol e o maior objeto feito pelo homem no espaço, tem sido continuamente operada por um consórcio liderado pelos EUA e pela Rússia que inclui Canadá, Japão e 11 países europeus.

O primeiro hardware para o posto avançado foi lançado há 25 anos. Foi concebido em parte como um empreendimento multinacional feito para melhorar as relações entre Washington e Moscou após o colapso da União Soviética e o fim das rivalidades da Guerra Fria que deram origem à corrida espacial original entre os EUA e a União Soviética nas décadas de 1950 e 1960.

A Nasa disse que está comprometida em manter a estação espacial em operação por pelo menos mais seis anos.

Veja momento do lançamento:

(Reportagem de Joe Skipper em Cabo Canaveral, e Steve Gorman em Los Angeles; edição de Will Dunham, Michael Perry e Raju Gopalakrishnan)


source
Fonte : CNN BRASIL