Um número recorde de milionários poderá deixar o Reino Unido este ano, já que a turbulência política e a possibilidade de impostos mais altos em um futuro governo trabalhista reduzem o apelo daquele que já foi um dos principais destinos dos ricos.

Cerca de 9.500 pessoas com pelo menos US$ 1 milhão em ativos líquidos e investíveis deixarão o país, mais do que o dobro do número de pessoas que deixaram o país em 2023, de acordo com estimativas provisórias contidas em um relatório divulgado nesta terça-feira (18) pelos consultores de migração Henley & Partners.

“Esses números refletem um acúmulo constante de fatores que prejudicam o apelo do Reino Unido para indivíduos de alto patrimônio líquido”, escreveu Hannah White, CEO do Institute for Government, no relatório.

“A ressaca do Brexit continua a ser sentida, e a cidade de Londres não é mais vista como o centro financeiro do mundo”, acrescentou.

O relatório baseia-se em dados de 150.000 indivíduos de alto patrimônio líquido (HNWIs) rastreados pela empresa de investimentos New World Wealth.

A empresa conta apenas as pessoas que permanecem em seu novo país por mais da metade do ano e se concentra principalmente em fundadores, presidentes, CEOs, presidentes, diretores e sócios-gerentes de empresas.

O êxodo contínuo do Reino Unido, com 16.500 milionários deixando o país entre 2017 e 2023, faz parte de uma migração global em massa dos ricos que parece estar se acelerando.

O relatório Henley Private Wealth Migration constatou que 128.000 milionários devem se mudar este ano, superando em 8.000 o recorde do ano passado.

“À medida que o mundo enfrenta uma tempestade perfeita de tensões geopolíticas, incertezas econômicas e convulsões sociais, os milionários estão votando com seus pés em números recordes”, disse Dominic Volek, diretor de clientes privados da Henley & Partners, em um comunicado à imprensa.

Dos 15 locais com mais milionários residentes, o Reino Unido está sofrendo mais do que a maioria — somente a China perderá mais HNWIs (15.200) em 2024 — e é um dos três locais, ao lado do Japão e de Hong Kong, que tiveram uma perda líquida na década desde 2013, conforme o relatório.

Em contrapartida, as fileiras dos ricos cresceram nos EUA, Canadá, Austrália, Alemanha e França no mesmo período.

O impacto do Brexit, que acabou com a livre circulação de pessoas entre o Reino Unido e a União Europeia e levantou novas barreiras ao comércio e ao investimento, além de outros choques econômicos, como a guerra na Ucrânia e o consequente aumento do preço da energia, foi agravado por um período de incerteza política sem precedentes.

O Reino Unido teve cinco primeiros-ministros desde 2010, incluindo o mandato de 45 dias de Liz Truss em 2022, quando seu plano de aumentar os empréstimos do governo para reduzir os impostos fez com que a libra atingisse uma baixa recorde em relação ao dólar e forçou o Banco da Inglaterra a intervir para evitar uma crise financeira.

Essa instabilidade tornou muito mais difícil para os formuladores de políticas lidar com o crescimento econômico deficiente do país e promover um clima melhor para investimentos.

Novas instabilidades

O Partido Trabalhista de Keir Starmer, que está à frente dos conservadores do primeiro-ministro Rishi Sunak por uma margem de cerca de 20% nas pesquisas de opinião, fez de tudo para atrair empresas e investidores e prometer estabilidade econômica e crescimento mais forte se vencer as próximas eleições em 4 de julho.

Starmer e sua porta-voz de finanças, Rachel Reeves, que trabalhou anteriormente no Banco da Inglaterra, prometeram não aumentar o imposto de renda ou o imposto sobre vendas e manter as regras fiscais adotadas pelo governo de Sunak.

Mas os trabalhistas estão comprometidos com aumentos de impostos direcionados que podem atingir os ricos.

Ele quer remover uma isenção fiscal de 20% das escolas particulares para financiar novos professores no setor estatal, fechar as brechas remanescentes que permitem que os chamados residentes não-domésticos protejam parte de seus ganhos no exterior dos impostos e arrecadar mais dinheiro de empresas de private equity.

“A saída de indivíduos de alto patrimônio líquido já gerada pelo contexto econômico e político agora está sendo acelerada pelas decisões políticas antes da eleição”, disse White.

Sunak, um ex-gerente milionário de fundos de hedge, e sua esposa Akshata Murty — filha de um bilionário indiano do setor de tecnologia — tem patrimônio de 651 milhões de libras esterlinas (US$ 826 milhões), segundo a The Sunday Times Rich List, o que os torna mais ricos que o Rei Charles.

O ex-gerente disse na semana passada que cumpriria um mandato completo se fosse reeleito como membro do parlamento em seu distrito eleitoral no norte da Inglaterra, mesmo que seu partido fosse expulso do governo.

source
Fonte : CNN BRASIL

Ouça a Rádio Piranhas FMRádio Piranhas FM pelo RadiosNet. #OuvirRadio