Romeu Zema, governador do Estado de Minas Gerais pelo partido Novo, disse que o grande legado do ex-presidente Jair Bolsonaro foi o de ter organizado a direita. No entanto, para o mineiro natural de Araxá, Bolsonaro ficou devendo aos liberais. “Na área econômica, pode ter sido bom. Mas ele pouco avançou em desestatização e em economia verde”.

Zema defendeu ainda um consórcio de Estados do Sul e Sudeste do país a fim de se defender, no Congresso Nacional, de possíveis perdas econômicas frente aos Estados das regiões Norte e Nordeste. O governador mineiro, declaradamente um opositor de Lula, disse que o bloco chama-se Cossud — Consórcio Sul-Sudeste — e tem como presidente o governador do Estado do Paraná, Ratinho Júnior (PSD).

publicidade

Atuação dos Estados no Congresso Nacional

De acordo com o governador, a atuação do Cossud se dará em prol do combate aos prejuízos às unidades da federação no Congresso.

“Outras regiões do Brasil, com Estados muito menores em termos de economia e população se unem e conseguem votar e aprovar uma série de projetos em Brasília. E nós, que representamos 56% dos brasileiros, mas que sempre ficamos cada um por si, olhando só o seu quintal, perdemos. Ficou claro nessa reforma tributária que já começamos a mostrar nosso peso”, disse Zema.

Tarcisio e Zema 848x477 1
Reprodução/Governo de São Paulo

Reforma tributária

O grupo deve se concentrar nas implicações da reforma tributária, aprovada pela Câmara, mas que ainda precisa da análise do Senado. O governador de Minas entende que os Estados do Sudeste vão sempre estar em franca desvantagem.

“Temos feito o mesmo trabalho com o senadores de nossos Estados e o que nós queremos é que o Brasil pare de avançar no sentido que avançou nos últimos anos — que é necessário, mas tem um limite — de só julgar que o Sul e o Sudeste são ricos e só eles têm que contribuir sem poder receber nada”, disse o governador ao Estadão.

Para o político de Minas Gerais, o Sudeste também precisa de ações sociais. “Está sendo criado um fundo para o Nordeste, Centro-Oeste e Norte. Agora, e o Sul e o Sudeste não têm pobreza? Aqui todo mundo vive bem, ninguém tem desemprego, não tem comunidade…Tem, sim. Nós também precisamos de ações sociais. Então Sul e Sudeste vão continuar com a arrecadação muito maior do que recebem de volta? Isso não pode ser intensificado, ano a ano, década a década”.

Eleições de 2026

Apesar de a corrida presidencial de 2026 ainda estar longe, o governador de Minas Gerais disse que só pensa na hipótese de se candidatar à chefia do Poder Executivo se achar que “poderá fazer alguma coisa”. Caso contrário, Zema prefere apoiar outro nome. Seja como for, o político antevê uma eleição polarizada, porque o país está dividido. Para Romeu Zema, o apoio de Bolsonaro — inelegível por oito anos — é fundamental.

Leia também

source
Fonte : Revista Oeste

Ouça a Rádio Piranhas FMRádio Piranhas FM pelo RadiosNet. #OuvirRadio