“Amazônia não pode ser tratada como depósito de riqueza”, diz Lula em Cúpula

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse, nesta terça-feira (8), que a Amazônia não pode ser tratada como um “depósito de riqueza”. 

Lula foi o primeiro chefe de Estado a discursar na reunião dos países da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), que compõe a programação da Cúpula da Amazônia, em Belém, no Pará.

“A declaração presidencial desta Cúpula mostra que o que começamos em Letícia (Colômbia) e agora consolidamos em Belém não é apenas uma mensagem política, é um plano de ação detalhado e abrangente para o desenvolvimento sustentável da Amazônia”, afirmou o presidente.

No início de julho, Lula participou de uma reunião técnico-científica sobre a Amazônia, na Universidade Nacional da Colômbia, na cidade de Letícia, com ministros, autoridades locais e lideranças de comunidades indígenas da América do Sul.

“A Amazônia não é e não pode ser tratada como um grande depósito de riqueza. Ela é uma incubadora de conhecimentos e tecnologias que mal conhecemos e começamos a dimensionar”, declarou Lula nesta terça.

“Aqui pode estar soluções para inúmeros problemas da humanidade, da cura de doenças ao comércio mais sustentável. A floresta não é um vazio a ser ocupado nem um tesouro a ser saqueado. É um canteiro de possibilidades que precisa ser cultivado”, completou.

Vídeo: Cúpula da Amazônia começa hoje em Belém

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”politica” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”bRxQcwgQOHo”

A Cúpula da Amazônia começou nesta terça com representantes dos oito países da OTCA: Brasil, Bolívia, Colômbia, Guiana, Equador, Peru, Suriname e Venezuela.

Com uma infecção nos ouvidos, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, cancelou sua participação no encontro. Delcy Rodríguez, vice-presidente da Venezuela, representará o país na cúpula.

Além de Lula e Rodríguez, foram confirmadas as presenças de Gustavo Petro (Colômbia), Irfaan Ali (Guiana), Dina Boluarte (Peru) e Luis Arce (Bolívia). Suriname e Equador, por sua vez, serão representados por ministros.

VÍDEO – Cúpula da Amazônia faz grande diferença no combate ao desmatamento, diz especialista

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”politica” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”ESGffaj1178″

A Carta da Cúpula

A reunião deverá gerar a Carta de Belém. Esse será um documento que estabelece uma nova agenda comum para o desenvolvimento sustentável da Amazônia, conciliando:

  • a proteção do bioma e da bacia hidrográfica;
  • inclusão social;
  • fomento de ciência;
  • tecnologia e inovação;
  • e o estímulo à economia local e valorização dos povos indígenas, comunidades locais e tradicionais e de seus conhecimentos ancestrais.

VÍDEO – Cúpula da Amazônia: países buscam consenso sobre Carta de Belém

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”politica” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”qf8h8scrgyA”

principal divergência sobre a Carta de Belém é sobre a exploração de combustíveis fósseis na região. Para evitar conflitos, o assunto deverá ser lateral, ou seja, feito individualmente.

Haverá menção de que será necessário que projetos de infraestrutura tenham “respeito a critérios socioambientais” e “consulta prévia a populações tradicionais”.

Outra divergência é sobre o cumprimento de metas de desmatamento. O Brasil pretende que os demais países incorporem a meta de desmatamento zero até 2030, mas há rejeição a proposta.

Outros convidados

Na quarta-feira (9), representantes de outros países em desenvolvimento com florestas tropicais se juntarão ao encontro.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) convidou a Indonésia, a República Democrática do Congo e a República do Congo.

Juntos, os países possuem três das maiores florestas tropicais do mundo: Amazônica, do Congo e a Borneo-Mekong, que passa pela Indonésia.

VÍDEO – Cúpula da Amazônia reúne representantes de 15 países

data-youtube-width=”500px” data-youtube-height=”281px” data-youtube-ui=”politica” data-youtube-play=”” data-youtube-mute=”0″ data-youtube-id=”ruvwO6mwPX4″

Segundo Lula, “além dos oito países amazônicos, a presença da Indonésia e dos dois Congos [República do Congo e República Democrática do Congo], países com florestas tropicais, é fundamental para uma aliança pelo desenvolvimento sustentável”.

A Alemanha e Noruega, na condição de principais doadoras do Fundo Amazônia, também foram chamadas. Bem, como, o primeiro-ministro de São Vicente e Granadinas, Ralph Gonsalves, que exerce a presidência rotativa da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), e o presidente da COP28, Sultan Ahmed al-Jaber, que será realizada em dezembro nos Emirados Árabes.

EUA fora da cúpula

Os Estados Unidos não foram convidados pelo Brasil para a Cúpula da Amazônia. Em abril, o presidente Joe Biden anunciou uma doação de R$ 2,5 bilhões para o Fundo Amazônia.

A quantia ainda não foi oficialmente enviada pelos EUA, mas colocaria o país entre os maiores doares do fundo.

Em fevereiro, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e o enviado especial para o Clima dos Estados Unidos, John Kerry, se encontraram em Brasília e sinalizaram um interesse mútuo na participação dos Estados Unidos em políticas de proteção do meio ambiente na Amazônia.

Integrantes da diplomacia brasileira disseram à CNN, em caráter reservado, que representantes americanos chegaram a se preparar para participar do encontro em Belém, mas que, com a falta de convite do Brasil, o planejamento foi descartado.

FOTOS: Veja imagens da Amazônia, a maior floresta tropical do mundo

source
Fonte : CNN BRASIL

Leia Também

Deixe seu Comentário