O jornalista Chico Pinheiro, de 70 anos, debochou da detenção do colega português de profissão, Sérgio Tavares, detido na manhã deste domingo, 25, ao desembarcar no Aeroporto de Guarulhos (SP) para cobrir o ato pela democracia na Avenida Paulista. O ex-apresentador da Rede Globo escreveu em seu perfil no Twitter/X:  “Chega, não! Aqui Chega, não!!”

Ao colocar a palavra “chega” em maiúscula acompanhada de sinal de exclamação, Pinheiro fez um trocadilho com o nome do partido do conservador André Ventura (Chega!), candidato ao cargo de primeiro-ministro nas eleições de Portugal no final do ano.

+ Leia mais notícias do Brasil em Oeste

A reação da maioria dos internautas foi de críticas a um “jornalista comemorando a prisão e intimidação de jornalista”, conforme escreveu o maestro e compositor Tom Matins.

“Os asseclas do regime perdem o pudor de parecerem democratas” afirmou o músico. “Caem as máscaras e revelam-se o que são de fato: cupinchas de ditadores.”

O internauta de Brasília Técio Melo, questionou: “Defendendo ditadura, jornalista?”

Leia também: “Jornalista português detido no Brasil ao cobrir ato pela democracia repercuti no mundo”

Relembre a militância política de Chico

O jornalista mineiro é simpatizando do Partido dos Trabalhadores (PT). Em 2018, o apresentador teve um áudio vazado no ar durante a apresentação do telejornal, no qual criticava os políticos da direita. Usando linguagem pejorativa, Pinheiro afirmou que “os coxinhas estariam perdidos”.

Esse descuido fez com que ele perdesse espaço na programação da emissora e saísse do rodízio da bancada do Jornal Nacional.

Em outro episódio, Pinheiro foi repreendido ao fazer um comentário depois de uma notícia sobre uma suposta sinalização positiva do mercado financeiro à vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Ainda com o jornal no ar, ele comentou sorrindo: “É bom mesmo o mercado acreditar na democracia”.

Leia também: “Caso Sérgio Tavares: partido político português chama Brasil de ‘ditadura’”

source
Fonte : Revista Oeste