Política

Câmara aprova projeto que criminaliza montagens de fotos íntimas

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira, 7, um projeto de lei (PL) que regulamenta a criminalização da divulgação de montagens de fotos e vídeos íntimos de mulheres sem autorização. O texto segue para apreciação no Senado.

“Não havendo ainda regulamentação aprovada a respeito da Inteligência Artificial, faz-se necessário, portanto, atualizar a legislação para que sejam instituídas balizas a respeito de crimes cometidos através da utilização da inteligência artificial”, justificou a relatora da proposta, Luiza Canziani (PSD-PR).

A aprovação na Câmara ocorre em meio a um inquérito aberto pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, que apura montagens, com o uso de inteligência artificial, feitas por alunos da cidade. Ao menos 20 garotas afirmaram ter sido alvo de “nudes” falsos. No Recife, algo parecido aconteceu em uma escola.

Leia mais sobre Política em Oeste

A regulamentação foi adicionada em um PL que aumenta a pena para quem divulgar conteúdo íntimo na internet sem autorização. Atualmente, a pena para o crime é de seis meses a um ano mais multa.

Com o texto novo, a pena passa ser de um a quatro anos mais multa. Além disso, a pena é agravada, podendo ser de dois a seis anos, se a vítima for menor de idade.

+ CPI da Braskem: partidos indicam nomes e colegiado deve ser instalado na próxima semana

O projeto é de autoria de Érika Kokay (PT-DF). Todos os blocos partidários da Câmara orientaram a favor do projeto.

“A criação de montagens de conteúdo sexual sem o consentimento das pessoas envolvidas é uma violação séria da privacidade e da intimidade que pode causar sérios danos emocionais e psicológicos às vítimas, prejudicando sua dignidade e autoestima”, argumentou Luiza em seu parecer.

+ Urgência para sustar decreto de armas de Lula não é aprovado na Câmara

Na quarta-feira 6, a Casa aprovou um pacote de medidas que visa a garantia dos direitos para as mulheres, como o aumento da pena para o homem que agredir a mulher na frente dos filhos. O PL estabelece um aumento que pode variar entre um terço até a metade da pena, que pode variar de um a quatro anos.


source
R7

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *